Goles

Conexão Chile: A força cultural dos vinhos da Viña Santa Cruz


Postada em 26/04/2017 às 01:34
Por Glaucia Balbachan


O complexo cultural Santa Cruz



Quando se fala na marca chilena Santa Cruz no Vale de Colchagua, já nos vem à mente uma das experiências mais completas de enoturismo. A estrutura é grandiosa e é bastante conhecida por bons vinhos.




O nome Santa Cruz nos agrega a cultura e história do país Chile e de seus vinhos. É uma marca que está por trás dos hotéis, museus, cassino e uma das vinícolas mais impressionantes de Colchagua.





A vinha Santa Cruz nasceu há 12 anos destacando sempre seus vinhos tintos especiais. Meio milhão de litros são produzidos por ano. A variedade mais importante da viña é a Carménère seguida da Cabernet Sauvignon, Syrah, Merlot, Petit Verdot, malbec e etc...




Em degustação especial na presença do gerente geral da Viña Emilio Cardoen Délano, pudemos entender o vinho de alma que é elaborado pela marca. Iniciamos com um branco Chamán Sauvignon Blanc e o Chamán Rosé, ambos reserva. Leves e para o dia-a-dia, o Sauvignon Blanc é um branco típico chileno com notas de frutas amarelas como o maracujá e frutas cítricas e com bastante frescor. Na boca tem boa acidez e final agradável. Teor alcoólico: 13,5%. O Rosé é um blend de Syrah, Merlot e Cabernet Sauvignon. Traz nos aromas frutas vermelhas em especial morangos frescos e framboesas, e notas amendoadas. Na boca tem certa untuosidade, frescor e final elegante. Teor alcoólico: 13,4%.


Em seguida partimos para os tintos – Com o Gran reserva Carménère 2015. É um Blend de Carménère, Petit Verdot e Merlot. No nariz há presença de notas florais e frutas vermelhas maduras como cerejas. Há um toque leve de herbáceo e especiarias doces como baunilha. Na boca taninos macios, boa acidez, frescor e final agradável. Teor alcoólico: 14,5%.


O próximo Tinto foi o Gran reserva Merlot. 100% Merlot e com passagem de 12 meses em carvalho francês, é um vinho de safra 2015 que apresentou amora, morango, cereja, especiarias como pimenta preta e notas tostadas. Na boca é redondo e macio. Fácil de beber tem taninos suaves, maciez e final frutado. Teor alcoólico: 14,2%.


Em seguida nos foi apresentado o Chamán Gran reserva Cabernet Sauvignon. É uma mescla de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Petit Verdot que confere complexidade nos aromas como frutas vermelhas, frutas negras maduras, especiarias e frescor. Na boca é equilibrado, com boa intensidade final e taninos bem trabalhados. É o rótulo mais vendido no Chile. Teor alcoólico: 14,5%.


E fechamos o tasting chamanîco com o Chamán Reserva. É um tinto elaborado com as variedades: Cabernet Sauvignon, Carménère e Malbec. É um vinho gastronômico. Com alta intensidade aromática de frutas negras maduras, cassis, aniz estrelado, menta, canela chocolate e tostados. Na boca é estruturado com taninos macios e final persistente. Teor alcoólico: 14,5%.


Foto: Divulgação



A maior inspiração na elaboração dos vinhos é a cultura indígena Mapuche e Rapa Nui que se apresenta fortemente no Cerro Chamán, que para chegar até lá é necessário subir de teleférico (que comporta 4 pessoas). Onde a experiência é imperdível por conta da vista belíssima dos vinhedos e de toda a natureza local.




O Cerro Chamán carrega o nome dos vinhos da marca Santa Cruz. É o vinho e toda cultura chilena juntas. No Cerro é possível encontrar representações da cultura indígena Mapuche (a mais importante do Chile) e a cultura Rapa Nui da Ilha de Páscoa.





Inspirado nesse tema indígena, para os visitantes e consumidores do vinho Santa Cruz entenderem a alma e história da Viña foram reproduzidos parte dessa história entre os 155 hectares de uvas cultivadas. No alto do Cerro construíram replicas de habitações, com instrumentos, imagens de madeira, objetos e embarcações utilizados pelos indígenas. O guia que nos acompanhou, nos disse que há encontros e atividades no local.


 Foto: Divulgação


Em seguida tivemos em contato com parte da cultura do norte do Chile com a Porta do Sol, com as lhamas - animais sagrados pela cultura indígena e com a história dos Rapa Nui como a estátua mais famosa da Ilha de Páscoa representada pelo antigo governante da Ilha, talhado em material vulcânico. A infraestrutura no Cerro traz também um observatório lunar, onde é possível ver as constelações acompanhado de música ao vivo.


Conhece a Viña Santa Cruz? Já foi ao Vale de Colchagua? Nos conte sua experiência de enoturismo.



Serviço: Viña Santa Cruz
Carretera I – 72, Km 25, Lolol – Santa Cruz
Colchagua - Chile
www.vinasantacruz.cl


Fotos: Site Empratado