Cardapios

Sotero Cozinha Original apresenta o sabor da gastronomia Baiana no centro de São Paulo


Postada em 13/04/2013 às 22:38
Por Glaucia Balbachan


Um legítimo soteropolitano no paladar do paulistano!


 

Localizado na região central da cidade, o Sotero é um “achado gastronômico nordestino”. Logo na entrada uma jardineira com ervas aromáticas para te recepcionar. O Salão é grande e rústico e ganha mobília em madeira nos balcões e mesas. Caixotes nas paredes se tornam prateleiras para as garrafas de cachaças e drinks e há lousas pelas paredes e pequenas estátuas coloridas de baianas decorando a casa. Música – Elis Regina de fundo.

 










Sotero Cozinha Original - pimenta da casa

 

Com 50 anos de cozinha, chef baiano Rafael Sessenta cresceu entre as panelas de casa e logo já sabia qual seria sua profissão, embora tenha formação em administração de empresa. Com isso, há 10 anos abriu sua escola de culinária profissionalizante, onde executivos invadiram as aulas querendo aprender a arte do bem comer. Foi a primeira escola do nordeste. Em funcionamento há um ano e quatro meses, o chef Rafael adora São Paulo e conta que se não morasse em Salvador, seria São Paulo ou Nova Iorque. “Adoro São Paulo, gosto dos grandes centros. Gosto de metrópole, da cidade que não dorme, do movimento das pessoas”, abre o chef e proprietário do Sotero Restaurante.

 










Abará do Sotero

 

 O nome da casa não poderia ter sido melhor escolhido – Sotero de soteropolitano – indivíduo que nasce em Salvador. Chef cheio de histórias, conta que hospedou a cantora Janis Joplin em sua casa na Bahia. “Não tinha identificado de início, eu não entendia o inglês texano dela, mas quase caí da rede quando vi que era ela mesmo”, conta o Chef Rafael. Com tantas histórias e lembranças de pessoas, o especialista na cozinha escreveu um livro gastronômico que fala um pouco de sua vida e de receitas tipicamente regionais, que ganha o nome de: “Memórias de um homem na cozinha”, de Rafael Sessenta da Editora Contexto e Arte.

 










Porção de mini acarajés com vatapá e camarões

 

 

Porção de mini acarajés com vatapá e camarões

Rafael já teve outras casas em Salvador, mas o conceito do Sotero é de uma cozinha legítima da Bahia para São Paulo – com enfoque na gastronomia brasileira. “É necessário dar uma modificada e adaptar a cozinha para atrair os clientes, principalmente se for de outro estado ou país”, lembra Sessenta.

Para alguns a cozinha baiana se restringe em coco, dendê e pimenta, mas os sabores vão, além disso. E como Rafael conhecia bem São Paulo e sua gastronomia, já tinha o Sotero montado na sua cabeça pra apresentar e representar a Bahia original em seus pratos.

 










O Inusitado Arroz Hauça da Casa do Chef Rafael Sessenta

 

Todos os produtos são de Salvador, desde o feijão fradinho, camarão seco, castanha de caju e especiarias. Tudo é feito na hora em especial o acarajé que se apresentou com massa leve e textura crocante. No final do ano o Sotero passará por uma reforma e promete abrir no início do ano com cara nova e conceito de cozinha brasileira com ênfase na comida baiana, porém, com uma pegada de ‘meio bar meio restaurante’. Outra proposta para quando acontecer a reabertura da casa é o delivery do pão delícia da Bahia e do disk acarajé. O Sotero serve almoço e jantar e o público durante o dia são os executivos que trabalham pelas redondezas e durante a noite são os moradores da região, grupos de amigos e família, que ocupam as mesas da casa. O objetivo é mostrar a gastronomia brasileira e resgatar pratos baianos que não se fazem mais. Além da montagem de outra escola aqui e São Paulo.

 










A estrela da casa - Os  apetitosos acarajés



 O cardápio é objetivo e tentador. Logo, optamos pelos pratos protagonistas da casa brasileira. Em clima da Bahia de Jorge Amado, nos chegaram à mesa duas entradas com a cara e o ziriguidum de Salvador – primeiro, o Abará. Feito com a mesma massa do acarajé só que com a diferença de ser preparado no vapor – presença de consistência e textura , além do sabor marcante – R$ 10,00. Depois, vieram as mini delícias em forma de porção de acarajé – São seis unidades que acompanham o vatapá e os camarões para você próprio montar seu acarajé – R$ 15,00. Em seguida, como principal foi serviço o Arroz de Hauça – Hauça, que vem da tribo africana e mulçumana que preparava esse prato na Bahia. Hoje, esquecido, o Chef Rafael redescobre e traz de volta  algumas receitas escondidas com o tempo. De apresentação imponente e ao mesmo tempo rústica, o prato traz surpresas nas texturas. O arroz é ao dente e ao mesmo tempo suculento, por conta do leite de coco. A carne seca é desfiada e crocante, onde divide espaço com camarões em molho. É bem servido, aromático e equilibrado nos temperos – R$ 40,00. Para finalizar, mais acarajé – grandes, eles são apresentados em duas unidades – R$ 14,00. De comer rezando!

 

Cozinha experiente e autoral, excelência na matéria-prima, cuidado, sabor, cor e aroma presentes em todos os pratos. Parada obrigatória!

 

 

Serviço: Sotero Cozinha Original

Rua Barão de Tatuí, 282 – Vila Buarque/SP

Tel: (11) 3666-3066

www.soterorestaurante.com.br

Fotos: Márcio Palermo – www.marciopalermo.com.br