Goles

Especial Chile: A filosofia orgânica dos vinhos Miguel Torres Chile


Postada em 10/04/2017 às 07:54
Por Glaucia Balbachan


Miguel Torres é uma marca espanhola pioneira em solo chileno desde 1979. O trabalho que é feito por lá é admirável. Desde o cuidado e conceito de vinhos orgânicos até ao serviço social.



Apaixonado pelo que faz o enólogo Jorge Rojas Diaz nos deu uma aula de produção de vinho branco, enfatizando o cuidado e importância do controle de temperatura.



Colhidas a mão as uvas brancas chegam à viña e logo são armazenadas em uma câmara fria controlada – para que não comece a fermentação com antecedência. O processo de vinificação é feito no dia seguinte. As uvas chegam a 25ºC na viña e na câmara fria as cepas atingem a 2ºC – isso para conservar e proteger todos os aromas da fruta.



Em visita técnica, Jorge nos conta que Curicó é uma região famosa pelas altas temperaturas e que o sistema de irrigação nos parreirais é feito por gotejamento. O cuidado com o terroir se estende a tecnologia dos maquinários, onde as uvas passam por seleção rigorosa. Na fermentação em tanque de Brancos e Tintos a diferença está na temperatura.


 


“A temperatura certa é o segredo do resultado de um bom vinho”, reforça o enólogo da Viña



Com os certificados nacional de sustentabilidade e de agricultura orgânica, além da utilização das garrafas eco glass para seus vinhos, a marca espanhola em solo chileno destaca o respeito à natureza, trabalho social, inovação contínua, packing ecológico e plano de reflorestar.



Com isso, há projetos para produzir vinhos no conceito biodinâmico. Jorge nos mostrou algumas cubas de cimento em forma ovalada que traz um movimento diferente para o vinho em relação à lua. “Teremos que acompanhar o comportamento do vinho nesta cuba que é parte de cimento e parte de pedra, porque os movimentos são distintos”, menciona Díaz.


Depois da aula sobre temperaturas e barricas de carvalho partimos para a degustação. Guiada pelo enólogo Jorge provamos 9 rótulos onde achamos vinhos muito expressivos. Abrimos os trabalhos com o La Causa Moscatel 2015.



O vinho branco 100% Moscatel é uma delicia. É seco e muito bom pra beber como aperitivo. Frutado traz nos aromas cítricos de maçã verde, carambola e casca de limão siciliano, onde também há notas florais. É fresco e com boa acidez – na boca tem persistência e delicadeza. Teor alcoólico: 12,5%.


Cordillera Sauvignon Blanc 2015


Elaborado por maceração carbônica este Sauvignon Blanc orgânico é atípico, porque é mais vegetal, traz aspargos e muito frescor. Na boca é outra surpresa atípica – é cítrico (limão) e mineral na boca. Surpreendeu positivamente. Teor alcoólico: 13%.


La Causa Cinsault 2014



No nariz este 100% Cinsault é doce como bala de tutti frutti. Não se sente nada de madeira somente fruta. Mas na boca a madeira traz estrutura ao vinho. (período de passagem por carvalho francês de terceiro uso é de 12 meses). Os taninos estão macios e o final é longo. Teor alcoólico: 14%.


La Causa Pais 2015


É redondo na boca. Está uma delicia pra acompanhar frios e queijos. No nariz frutas vermelhas em especial morangos. Leve e equilibrado traz taninos suaves e persistência final. Teor alcoólico: 14%.


Santa Digna Merlot 2015


Com parte do tempo em contato do carvalho francês é um 100% Merlot tão macio. Frutas vermelhas e baunilha são encontradas nos aromas. Tanino equilibrado na boca e framboesa no final. É um vinho potente mais com delicadeza. Bem bom. Teor alcoólico: 14%.


Santa Digna reserva Carménère 2015


Outro Carménère atípico. Tem pouco o talvez nada de herbáceo no nariz. O que encontramos foi amora, notas tostadas, eucalipto e pimenta preta. Passando por fermentação malolática o vinho resultou cremosidade e equilíbrio nos taninos. O final e persistente e bem gostoso. Teor alcoólico: 13,5%.


Las Mulas Cabernet Sauvignon 2015


É um Cabernet Sauvignon gastronômico. Com alta intensidade de aroma as frutas vermelhas se sobressaem em conjunto de especiarias como pimenta e cravo. Na boca taninos redondos e final longo. Teor alcoólico: 14%.


Cordillera Carignan Vigno 2013


A impressão que dá é que você pode mastigá-lo. É intenso e gastronômico. Complexo este vinho apresenta notas florais, menta e frutas vermelhas. É intenso e marcante do começo ao final. Teor alcoólico: 14%.



E como o melhor sempre fica para o final acabamos o tasting orgânico com o premiado e bem pontuado Manso De Velasco 2012
É elegante e complexo. Frutas negras em compota, ameixa, tostados, chocolate, caramelo e especiarias se destacam no nariz. Na boca é delicioso. Traz taninos finos e vontade de tomar mais uma taça. Tem que provar. Teor alcoólico: 13,5%.



Clássico Pastel de papas estilo Torres


E antes de nos despedir, almoçamos no restaurante da vinícola, que também nos surpreendeu com a placa de 100k de sustentabilidade gastronômica – que significa que são comprados produtos locais num raio de 100 kilometros. Os pratos são de levantar as sobrancelhas. Provamos também o espumante Rosé Estelado elaborado com a cepa País – ótimo espumante com bom custo beneficio encontrado em SP.




Já visitou alguma vinícola no Chile? Qual vinho mais gostou? Nos conte sua experiência enogastronômica.


Serviço: Miguel Torres Chile


Panamericana Sur, KM 195 – Curicó – Chile


Tel: 56 75 2 564 100


Almirante Pastene, 333 – Santiago – Chile


Tel: 56 22 01 55 10


[email protected]


www.migueltorres.cl


Importador no Brasil: Devinum


Rua Funchal 538 cj 193 – Vila Olimpia/São Paulo


Tel: (+5511)25327201


[email protected]


www.devinum.com.br


Fotos: Site Empratado